Notícias


Primeiro produto biológico para controle da ferrugem da soja é autorizado pelo Mapa

Formulado à base de isolado de bactéria, Bio Imune já é registrado para outras doze doenças da soja e é compatível com os principais pesticidas convencionais
11/11/2020

O produtor passa a ter uma opção biológica para o controle da ferrugem asiática da soja. Formulado à base da bactéria Bacillus subtilis, o Bio Imune é o primeiro produto biológico autorizado pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) para o controle da doença causada pelo fungo Phakopsora pachyrhizi.

De acordo o Grupo Vittia, responsável pelo produto, além da proteção contra o patógeno, o Bio Imune auxilia no desenvolvimento da soja, podendo promover um incremento de produtividade em 18% quando comparado com os produtos já existentes no mercado.

Conforme explica a Gerente de Desenvolvimento de Mercado do Grupo Vittia, Cibele Medeiros, o Bio Imune não é um produto novo. “Desde 2017, o produto está no mercado e já tem registro como defensivo biológico para outras doze doenças. Hoje, ele é o único biológico registrado para ferrugem. Esse registrou visou otimizar dose e estabelecer um posicionamento para a ferrugem”, ressalta. 

Durante o processo de fermentação da bactéria, além da multiplicação dela, há a produção de metabólitos, que agem direta e indiretamente na planta, promovendo o seu desenvolvimento.

Medeiros explica que, como efeito direto, o produto induz à resistência da planta à ferrugem e, ao entrar em contato com a planta, a bactéria tem a capacidade de penetrar o tecido vegetal e competir com outros micro-organismos fitopatogênicos.

“O grande diferencial e a inovação é proporcionar o uso racional dos químicos, com uma convivência dos defensivos convencionais com os biológicos e também integrar não só proteção como também produtividade por conta dos mecanismos de ação que ele promove na planta. Sem contar que ele é pouco tóxico ao meio ambiente, garantindo uma segurança tanto ao aplicador quanto no alimento que vai ser consumido”, afirma.


Com informações da revista Globo Rural / Foto: Getty Images

MAIS NOTÍCIAS